8 de setembro de 2016

Tudo sobre mim | Poesia

Foto: J. Santana



Meus ídolos já morreram todos (a maioria da mesma causa)
Eu não gosto das tendências, nem das coisas mais compradas
Meus livros preferidos não são sagas, nem modinhas temáticas
Gosto de ser do contra, mas nem sempre eu falo
Não tenho paciência para séries, nem saco pra televisão
(E sim, Dani Carlos, eu também vejo filmes em pausas)
Meus personagens favoritos são sempre os vilões
Meus hits prediletos já eram clássicos muito antes de eu nascer
Eu vivo fases musicais: anos 80, 90, pop, latina e rock ‘n’ roll
Eu tenho poucos amigos e não os defino em melhores ou piores
Meus amigos não são amigos dos meus outros amigos
Eu não sou bom em me aproximar, mas eu faço um esforço
Eu tô sempre tentando fazer alguém rir
E eu vivo rindo, rio até de nervoso e quando fico aflito
Eu não sei demonstrar o que sinto, mas às vezes eu tento e quase sempre me arrependo
------------------------------------------
Eu tenho teorias sobre as pessoas à minha volta
Eu vejo nuvens negras sobre algumas delas e fico à distância e não costumo me enganar
Eu gosto de ficar sozinho, às vezes, e não gosto que me perturbem
E que quebrem a minha rotina e meus métodos
Não gosto que me abracem por trás de surpresa
Não gosto que me chamem de Dhi, mas abro duas ou três exceções
Não gosto que me olhem enquanto escrevo ou leio
E escrevo mais (e melhor) quando estou triste ou melancólico
Eu não costumo falar dos meus problemas
Às vezes, eu sumo do nada e volto do nada também
Eu sempre tenho um lado sombrio e oculto assim como a lua
Eu gosto do divino e sou apaixonado pelo profano, eu sou controverso
Eu mudo de assunto muito rápido, tô sempre fazendo piadas
Eu tenho excelente memória pros detalhes, mas não sou bom com as datas
Eu sou impossível de esquecer, mas difícil de ser lembrado*


Escrito em 24 de julho de 2015

* Fala da personagem Claire no filme Elizabethtown (2005)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poesias no Espelho

Postagem em destaque

A grandiosidade de se sentir pequeno | Crônica | Cara do Espelho

Vou me pendurar no lustre, no lustre Vou viver como se não houvesse amanhã (Sia – Chandelier) Você já olhou para o céu numa...