Inscreva-se!

18 de janeiro de 2015

Escrava do Ritmo





Olha quem só quem voltou das férias!

O Cara do Espelho está de volta com texto inédito, Escrava do Ritmo, escrito numa das idas e vindas para a faculdade ao som de Slave to the Rhythm do rei do pop, Michael Jackson.

Leia e compartilha!


Escrava do Ritmo






Ela está aqui porque não tem mais para onde correr nem onde estar. Veio parar aqui por não ter mais a quem recorrer, acabou aceitando os fatos e as cartas na mesa.
Ela apostou alto, perdeu tudo e se perdeu.
Ela sonhava em ter tudo, ser a dona do mundo, ter mais para ser mais e nunca fez questão de respeitar limites.
Ela andou e pisou em quem pôde, esqueceu o que seus velhos pais tanto diziam, acreditou no que aquele cara disse e deixou tudo para trás. Disse até amanhã para seu pequeno filho e veio parar aqui.
Agora ela dança porque tem uma faca no pescoço e outra na consciência. Dança porque não pode correr, por estar paralisada dentro de si enquanto mexe o quadril.
Ela é do tipo que tem olhar felino de quem está pronta para matar, o sorriso provocante e a resposta na ponta da língua, língua que percorre os próprios lábios, que atrai, seduz, satisfaz, vai fundo e enlouquece. E cobra caro.

Ela está pronta para o que der e vier, mas por enquanto apenas dança. Ela olha a saída e os capangas de seu mestre, depois os velhos babando aos seus pés e lhe jogando dinheiro e joias. Olha para um misterioso homem ao fundo, fumando seu charuto e a admirando. Será que finalmente seria seu salvador ou apenas mais um cliente curioso?
Ela dança também para não chorar, por saber que seu fim está cada vez mais próximo, pois já não é dona de si própria. Vendeu sua alma e agora seus próprios demônios estão vindo cobrá-la.
Aqui e agora, seu corpo seminu é tudo o que tem e, como não lhe resta mais nada, dança apenas porque não pode correr e porque não tem mais nada em que acreditar.
O locutor a anuncia para os homens como a “Rainha da Noite” quando, na verdade, ela não passa de uma escrava, mais uma naquele inferno.


Diogo Souza, em 14 de agosto de 2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poesias no Espelho

Postagem em destaque

A grandiosidade de se sentir pequeno | Crônica | Cara do Espelho

Vou me pendurar no lustre, no lustre Vou viver como se não houvesse amanhã (Sia – Chandelier) Você já olhou para o céu numa...