3 de agosto de 2014

Um ano de blog | Desde o fim até o começo


Que loucura perceber que este blog já tem um ano de existência e, principalmente, ver como ele foi ótimo para mim. Digo isso não apenas por ser um espaço pra desaguar minha imaginação, mas também por ter me possibilitado experimentar linguagens e estilos novos, além de conhecer novos amigos através da leitura.
Tive mais de mil ideias para comemorar o primeiro ano do Cara do Espelho, mas eu não sou muito apegado a comemorações de aniversário, nem mesmo o meu, e achei que seria melhor fazer o que costumo fazer por aqui: ESCREVER.
O texto de hoje foi feito no ano passado para uma atividade proposta pela disciplina de Criatividade (não lembro o nome da matéria inteiro) na Universidade. A atividade era criar um texto com o seguinte tema: Se a gente vivesse a vida de trás para frente assim ela seria. Fiz o texto, entreguei ao professor e não sei que fim levou nem se valeu nota, mas fiquei com minha cópia e resolvi postar hoje porque me deu vontade, ora bolas.

E eu já falei demais, vamos lá!

 

Desde o fim até o começo

 

Do silêncio, da total escuridão, uma coisinha, uma chegada e uma sensação. Que o novo coração velho comece a bater, que acorde aos poucos, como o Sol da manhã, e o corpo que vai aquecendo. Que acorde de uma vez, você veio da morte.

Levante devagar para que nenhum osso se quebre, ande passo por passo até o hospital. Deite-se, entre em coma, levante-se e saia pela porta da frente e volte para a casa com sua família. Seus filhos estão cada vez mais novos, ontem mesmo o Pedrinho já nem reconhecia a letra “A”. É, o tempo passa muito rápido. Logo seus filhos voltarão de onde vieram, retornarão a você e você de onde veio.

Saia de casa, é hora de sair do trabalho, saia do escritório e volte para casa às 6 da manhã, durma e acorde às 23, sua esposa te espera. Sua rotina muda, as ressacas, as noites de sexo, as festas, as aulas na faculdade e o estágio em meio período. Amanhã é seu último dia no colégio, se despeça de todos e amanhã tem as provas finais. 

Se divirta, ria e brinque! Hora de ir tirar a soneca da tarde, sua mãe já está fazendo a mamadeira.

Chore, reclame e berre! Aquela pessoa virá te acalmar, te satisfazer a fome e te acarinhar.

Vá para seu mundo, encontre o fim, esse tal de começo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poesias no Espelho

Postagem em destaque

A grandiosidade de se sentir pequeno | Crônica | Cara do Espelho

Vou me pendurar no lustre, no lustre Vou viver como se não houvesse amanhã (Sia – Chandelier) Você já olhou para o céu numa...