22 de junho de 2014

Sentir Eterno - Poema do fundo do baú

Domingão chegou e é hora de mais um post no Cara do Espelho. Antes de tudo acho necessário agradecer aos meu amigos e conhecidos que tem acessado o blog e lido meus textos, não citarei nomes para não ser injusto e deixar alguém de lado por esquecimento.

 Obrigado pela leitura e carinho de vocês, isso é motivante.

Hoje eu trago mais um poema, este foi iniciado no começo de 2012 e há poucas semanas o reencontrei e finalmente concluí. Decidi postar porque achei bonitinho e romântico, diferente do que tenho feito ultimamente.

Espero que gostem.

Sentir eterno 

 


Eu sou o seu servo
Seu apoio e ombro amigo
Que sonha por nós dois
E te dá a mão no seu primeiro passo.

Eu sou um bobo
Tirando flores do casaco
Exagerando nas caretas
Só pra te fazer sorrir.

Eu sou o mesmo
E não importa o tempo
Te quero e quero mais perto
Quando sentir que você precisa.

Mas se eu ficar pra baixo
Apenas me aperte num abraço.
Me faça sentir eterno
Cada vez que me der um beijo.

Eu sou um bobo
Olhando o céu e te prometendo estrelas
Dizendo que a magia existe
E está dentro de você.

Eu sou o mesmo
E vou buscar as respostas
Para todas as suas dúvidas
E oferecer mais uma eternidade de felicidade.
Porque você tem essa capacidade
De me fazer feliz com tão pouco
E me deixar louco ao me sentir...
Sentir eterno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poesias no Espelho

Postagem em destaque

A grandiosidade de se sentir pequeno | Crônica | Cara do Espelho

Vou me pendurar no lustre, no lustre Vou viver como se não houvesse amanhã (Sia – Chandelier) Você já olhou para o céu numa...