Inscreva-se!

4 de dezembro de 2013

Você...

O primeiro projeto para este blog me surgiu em 2009, um ano dark, enquanto eu ouvia incessantemente "Man in the Mirror" do Michael Jackson. Minha intenção era criar um espaço como este para poder "usar" o cara do espelho. No início eu fazia textos expondo um pouco da personalidade de amigos de uma forma poética e eram estes textos que queria compartilhar. O tempo passou e as trevas também, larguei a poesia e me reencontrei com a prosa (depois me perdi de novo, uma longa história).

Deixei de lado as "análises poéticas" que fazia do povo, inclusive, há menos de uma semana uma amiga que estudou comigo me relembrou destes textos.  Mas foi no domingo, 01, que eu estava procurando uns textos de 2010, mas só achei os de 2009 (poemas com alto teor depressivo) e vi umas dessas análises e decidi colocá-lo aqui!

Lembrando que qualquer semelhança com a realidade será coisa da sua cabeça. Vá se tratar!

Esse é o primeiro, foi escrito em 26 de novembro de 2009, uma relíquia, se você achar legal ou lembrar de alguém comenta aí e compartilha, ok?

Você...


Você não sabe, mas eu te vejo. Como poucos, eu te enxergo, te sinto. Perdoe-me se pareço indiscreto ou invasivo. Quero que saiba que te admiro, mas não confunda as coisas, sou apenas o Cara do Espelho refletindo o que vejo da maneira que posso. Devo confessar que...

Certa vez ouvi sua gargalhada, uma grande gargalhada. Quem ouvisse pensaria: "Nossa, que pessoa feliz e para cima". Mas sei que, quanto mais alto o riso, maior é o silêncio dentro do peito. É como tentar intensificar a alegria ao extremo, querer anestesiar-se fazendo o riso ecoar dentro do vazio criado pela tristeza. Mas este não é um riso como os outros, você sabe disso,  ele termina com um suspiro de volta à realidade, não se permeia.

Nos seus gestos, vi a confusão entre uma pessoa adulta e uma criança. A adulta que precisa manter-se de pé, firme, valente e ainda ser o porto-seguro de outras pessoas. Por outro lado, tem a criança munida da mais pura e sincera alegria, que tem seus medos e suas birras e que transita facilmente entre o real e o imaginário, indo a mundos que julga melhores para se viver. As duas parecem brigar exigindo espaço.

Nada pode ser tão sério ou tão fantasiado, nos extremos é que as pessoas se perdem. Talvez o seu equilíbrio tenha sido abalado e ainda não pôde ser restabelecido. Você deve saber que algo está errado e que faltam alguns pedaços. Muitas vezes seu olhar se perde na imensidão de qualquer metro quadrado ou na escuridão de um novo horizonte. Como se algo te impedisse de recomeçar, de dar o primeiro passo por medo de errar e de ter que passar por tudo isso mais uma vez.

O Cara do Espelho
Texto de 26/11/2009

Nada como encontrar velharias nos arquivos pessoais.

Um comentário:

  1. Nossa, Diogo... Me dá licença, eu vou embora.
    Cara, se pegar meus textos de 2009 a gente senta e chora de rir zoando aquelas coisas, sério. Na verdade, eu só comecei a ser gente em 2011 e ainda estou em processo, mas tá. Só tenho a dizer que "CARALHO" esse segundo parágrafo, cara... muito profundo, sério. Eu tô orgulhosa por ser sua amiga, de verdade. Vamos nos abraçar e chorar de emoção juntos E apenas no aguardo, você sabe de quê. :* hahahaha

    ResponderExcluir

Poesias no Espelho

Postagem em destaque

A grandiosidade de se sentir pequeno | Crônica | Cara do Espelho

Vou me pendurar no lustre, no lustre Vou viver como se não houvesse amanhã (Sia – Chandelier) Você já olhou para o céu numa...